Pular para o conteúdo principal

Gandalf e o poder da verdade

arte: www.stevethomason.net
Gandalf usou seus poderes miraculosos em épocas de grave perigo... "Ele sempre aparece quando as coisas estão tenebrosas." ... No entanto, apesar de todos os seus poderes miraculosos, a influência profética do mago consiste, sobretudo, no domínio da sabedoria. Gandalf impactou os acontecimentos da Terra Média pelo poder de suas palavras. De fato, esse era seu chamado genuíno. De acordo com O Silmarillion - os escritos lendários que fornecem o pano de fundo para O Senhor dos Anéis - Gandalf e os outros magos eram "mensageiros enviados pelos Senhores do Oeste para contestar o poder de Sauron". A palavra mensageiro indica que os magos não confrontam o mal através da força militar, mas com o poder da verdade...

Cada um dos protagonistas de O Senhor dos Anéis tem um personagem que destaca suas verdadeiras qualidades, por contraste. Para Gandalf, o personagem contrastante é Saruman... Eles são "parecido, e ao mesmo tempo diferente", diz Gimli ... Ambos os magos reconhecem que uma grande mudança está chegando à Terra Média. A época dos elfos está acabando, o que Saruman vê como uma chance de tomar o poder. "Nosso tempo está chegando", diz ele: "o mundo dos homens, que devemos governar. Mas precisamos de poder, poder para ordenar todas as coisas como queremos, para o bem que apenas os Sábios podem enxergar". Infelizmente, Saruman nunca vê o bem, apesar dos melhores esforços de Gandalf para convencê-lo... Não é surpresa que as palavras de Gandalf, proféticas ou não, às vezes caiam em ouvidos surdos. Este é o triste destino dos profetas em toda parte: eles raramente são tratados com honra, seja em sua cidade natal ou em outro lugar...

Ao prever o futuro, lançando alertas e dizendo outras verdades desconfortáveis, e fortalecendo a coragem do povo através de palavras de esperança, Gandalf nos mostra como servir como profetas no reino de Deus. No lar, na igreja, na academia, no mercado, e na sociedade em geral, todo cristão tem um chamado para falar a verdade de Deus.

(Tradução livre de trechos de The Messiah Comes to Middle-Earth, de Philip Ryken)

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O testamento do Cachorro

Hoje, Quarta-feira de Cinzas, procurando alguma coisa interessante pra relaxar e assistir, me deparei com o Ariano Suassuna na TV Senado. Era umas 22 horas, o programa já havia começado a algum tempo, mas peguei muita coisa boa e pérolas valiosas do escritor. Trata-se de uma aula-espetáculo que fora realizada em Junho de 2013, na sala Villa-Lobos do Teatro Nacional de Brasília (DF).

Depois do programa, acabei explorando na rede muita coisa que o Suassuna falou, partindo de sua fala de que não cria mas copia. Copia o que o provo brasileiro traz. Aí vem as histórias contadas, os muitos cordéis que se perdem no tempo. Procurando a história do enterro do cachorro de um antigo folheto de literatura de cordel - que o próprio Suassuna atribui a fundamentação de “O Auto da Compadecida” -, me deparei com Leandro Gomes de Barros, um grande poeta da literatura de cordel, nascido no sertão da Paraíba, e que viveu de 1865 a 1918.

A história do testamento do cachorro é parte do folheto "O dinh…

Quem anda pela cabeça dos outros é piolho

Mãos frias, coração quente, amor ardente

Parece que o frio finalmente mostrou sua face gélida em nossa região. Enquanto escrevo este texto, o celular está marcando cinco graus em Itararé. Na madrugada a temperatura ficou abaixo de zero. Por outro lado, o noticiário internacional está mostrando as ondas de calor no hemisfério norte que dificultam a luta contra o fogo que atinge Portugal, Espanha e EUA.

Estas situações de frio e calor lembram as revelações divinas ao apóstolo João no livro do Apocalipse, especialmente a mensagem dirigida à igreja em Laodiceia: “Conheço as suas obras, sei que você não é frio nem quente. Melhor seria que você fosse frio ou quente! Assim, porque você é morno, nem frio nem quente, estou a ponto de vomitá-lo da minha boca.” (Ap 3.15-16)

É bem verdade que o frio em alguns lugares está de “congelar a alma”, mas muitas vezes é um frio de outra natureza que toma conta de nossos corações. Uma frieza no amor a Deus e ao próximo. Uma frieza na fé e nas obras. O apóstolo Tiago escreveu em sua Carta: “Se u…