Pular para o conteúdo principal

Quem anda pela cabeça dos outros é piolho




Final de janeiro e início de fevereiro, não somente os filhos, mas também os pais começam a se preparar para mais um ano letivo. Hoje, uma das preocupações dos pais é o material escolar, que todo ano fica mais caro. Mas houve um tempo em que o que deixava os pais de cabelo em pé de verdade era o fato de que ao voltarem às aulas, voltariam também os piolhos na cabeça dos filhos. Para acabar com o coça-coça, as mães passavam de tudo no cabelo, mas o método mais eficaz, e também mais dolorido e chato, ainda era passar aquele pente fino nos cabelos. Igualmente terrível para uma criança era a “catação” de lêndeas e piolhos por horas intermináveis, quando poderia estar brincando.

Tem um ditado popular que diz: “Quem anda pela cabeça dos outros é piolho”. Visto que a família exerce um papel primordial na educação, que abrange princípios de vida e de ética, disciplina e orientação espiritual, quando os filhos passam a exibir valores diferentes daqueles que aprendeu em casa, certamente estão indo pela cabeça de outros, estão se comportando como piolho.

O conselho do rei Salomão era: “Meu filho, ouça a instrução de teu pai, não desprezes os ensinamentos de tua mãe, pois são como um enfeite para a tua cabeça e um adorno para o teu pescoço. Se as más companhias te quiserem seduzir, não lhes dês ouvidos, meu filho” (Provérbios 1.8-10). Há filhos, no entanto, que ainda não conseguem fazer este discernimento, pois não foram ensinados a exercer sua autonomia longe dos pais, dentro de um parâmetro emocional e cognitivo adquirido no seio familiar. Assim como as crianças estão mais vulneráveis aos piolhos, também a personalidade imatura de muitos filhos os tornam mais suscetíveis à sedução das más companhias. A omissão dos pais na correção do caráter e na formação de cidadãos íntegros, certamente trará transtornos à família e, mais tarde, à sociedade.

O saudoso Içami Tiba, psiquiatra e educador, autor de Quem Ama, Educa!, também comparava com o piolho aqueles comportamentos nocivos que o filho traz para casa e que os pais não aceitam, exatamente por não fazerem parte da educação familiar. Eles são transmitidos pelo convívio com as más companhias, infestam a mente, sugam a inteligência emocional e se os pais não passarem um pente fino constante para eliminá-lo do convívio familiar e social, vão continuar se proliferando. Assim como a triste tarefa da catação de piolhos deu origem ao nosso prazeroso “cafuné”, um pente fino familiar, que seleciona o que é bom e o que não é, também gera a felicidade e a alegria de viver com qualidade.

A educação, o ensino de valores e a correção ajudarão nossos jovens “a viver com disciplina e sensatez, fazendo o que é justo, direito e correto” (Provérbios 1.3). Se hoje as famílias combaterem os terríveis piolhos de natureza comportamental, no futuro a corrupção talvez não domine os noticiários e a preocupação em construir mais e mais presídios não domine a agenda de uma boa governança.

Publicado no Jornal O Guarani, nº 2493 - 27/01 a 02/02/2017 (Itararé, SP)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O testamento do Cachorro

Hoje, Quarta-feira de Cinzas, procurando alguma coisa interessante pra relaxar e assistir, me deparei com o Ariano Suassuna na TV Senado. Era umas 22 horas, o programa já havia começado a algum tempo, mas peguei muita coisa boa e pérolas valiosas do escritor. Trata-se de uma aula-espetáculo que fora realizada em Junho de 2013, na sala Villa-Lobos do Teatro Nacional de Brasília (DF).

Depois do programa, acabei explorando na rede muita coisa que o Suassuna falou, partindo de sua fala de que não cria mas copia. Copia o que o provo brasileiro traz. Aí vem as histórias contadas, os muitos cordéis que se perdem no tempo. Procurando a história do enterro do cachorro de um antigo folheto de literatura de cordel - que o próprio Suassuna atribui a fundamentação de “O Auto da Compadecida” -, me deparei com Leandro Gomes de Barros, um grande poeta da literatura de cordel, nascido no sertão da Paraíba, e que viveu de 1865 a 1918.

A história do testamento do cachorro é parte do folheto "O dinh…

Mãos frias, coração quente, amor ardente

Parece que o frio finalmente mostrou sua face gélida em nossa região. Enquanto escrevo este texto, o celular está marcando cinco graus em Itararé. Na madrugada a temperatura ficou abaixo de zero. Por outro lado, o noticiário internacional está mostrando as ondas de calor no hemisfério norte que dificultam a luta contra o fogo que atinge Portugal, Espanha e EUA.

Estas situações de frio e calor lembram as revelações divinas ao apóstolo João no livro do Apocalipse, especialmente a mensagem dirigida à igreja em Laodiceia: “Conheço as suas obras, sei que você não é frio nem quente. Melhor seria que você fosse frio ou quente! Assim, porque você é morno, nem frio nem quente, estou a ponto de vomitá-lo da minha boca.” (Ap 3.15-16)

É bem verdade que o frio em alguns lugares está de “congelar a alma”, mas muitas vezes é um frio de outra natureza que toma conta de nossos corações. Uma frieza no amor a Deus e ao próximo. Uma frieza na fé e nas obras. O apóstolo Tiago escreveu em sua Carta: “Se u…