Pular para o conteúdo principal

Para os que sofrem infortúnios e calamidades

Natal, Ano Novo, Epifania e férias na escola ou no trabalho. Tempo de alegria, promessas, expectativas e revigoramento. No entanto, as calamidades, sofrimentos e tragédias coletivas e pessoais nos lembram que ainda vivemos em meio a um vale de lágrimas. Assim também se sucedeu com a Sagrada Família. Em meio à alegria da Anunciação e de uma concepção miraculosa, eles também experimentaram os dissabores da bisbilhotice e desonra, uma fuga apressada, a desventura de refugiados, o martírio das crianças inocentes. Os sofrimentos e tribulações que envolvem o nascimento de Jesus projetam a cruz sobre a manjedoura. Lutero escreveu certa vez: "Assim que a vida cristã ou qualquer outra coisa de Cristo começa, a próxima coisa, a cruz, está perto" (WA 27: 475-76). Mas, graças a Deus, o Menino que celebramos no Natal carrega uma promessa divinal em seu nome. Ele é Emanuel. Deus é conosco. Deus está comigo e com você. Essa promessa persiste, mesmo que o choro se misture ao riso. A promessa persiste porque o Jesus, o Emanuel, é o próprio Deus que veio habitar no meio de nós e nos libertar da causa de todos os males e infortúnios.

Ó Senhor, tem piedade.
Ó Cristo, tem piedade.
Ó Senhor, tem piedade.

Todo-poderoso Deus, socorro bem presente na angústia, não permitas que o teu povo fique apavorado, mas fortalece e conforta a cada um até o fim das calamidades. Ajuda-nos com o teu amor, perdoa os pecados, sara os feridos, consola os aflitos, protege os inocentes e desamparados e livra os que estão em perigo. Por amor da tua grande misericórdia em Cristo Jesus, nosso Senhor. Amém.

Alma de Cristo, santifica-me.
Corpo de Cristo, salve-me.
Sangue de Cristo, inebria-me.
Água do lado de Cristo, lave-me.
Paixão de Cristo, conforta-me.
Ó bom Jesus, ouve-me.
Dentro de tuas feridas, esconde-me.
Não permitas me separar de Ti.
Do inimigo maligno, defende-me.
Na hora da minha morte, chama-me.
E leva-me a Ti,
Para com teus santos louvar-te.
Pelos séculos dos séculos.
Amém.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O testamento do Cachorro

Hoje, Quarta-feira de Cinzas, procurando alguma coisa interessante pra relaxar e assistir, me deparei com o Ariano Suassuna na TV Senado. Era umas 22 horas, o programa já havia começado a algum tempo, mas peguei muita coisa boa e pérolas valiosas do escritor. Trata-se de uma aula-espetáculo que fora realizada em Junho de 2013, na sala Villa-Lobos do Teatro Nacional de Brasília (DF).

Depois do programa, acabei explorando na rede muita coisa que o Suassuna falou, partindo de sua fala de que não cria mas copia. Copia o que o provo brasileiro traz. Aí vem as histórias contadas, os muitos cordéis que se perdem no tempo. Procurando a história do enterro do cachorro de um antigo folheto de literatura de cordel - que o próprio Suassuna atribui a fundamentação de “O Auto da Compadecida” -, me deparei com Leandro Gomes de Barros, um grande poeta da literatura de cordel, nascido no sertão da Paraíba, e que viveu de 1865 a 1918.

A história do testamento do cachorro é parte do folheto "O dinh…

Mãos frias, coração quente, amor ardente

Parece que o frio finalmente mostrou sua face gélida em nossa região. Enquanto escrevo este texto, o celular está marcando cinco graus em Itararé. Na madrugada a temperatura ficou abaixo de zero. Por outro lado, o noticiário internacional está mostrando as ondas de calor no hemisfério norte que dificultam a luta contra o fogo que atinge Portugal, Espanha e EUA.

Estas situações de frio e calor lembram as revelações divinas ao apóstolo João no livro do Apocalipse, especialmente a mensagem dirigida à igreja em Laodiceia: “Conheço as suas obras, sei que você não é frio nem quente. Melhor seria que você fosse frio ou quente! Assim, porque você é morno, nem frio nem quente, estou a ponto de vomitá-lo da minha boca.” (Ap 3.15-16)

É bem verdade que o frio em alguns lugares está de “congelar a alma”, mas muitas vezes é um frio de outra natureza que toma conta de nossos corações. Uma frieza no amor a Deus e ao próximo. Uma frieza na fé e nas obras. O apóstolo Tiago escreveu em sua Carta: “Se u…

Quem anda pela cabeça dos outros é piolho