Pular para o conteúdo principal

Natividade de John Donne

Cena da Natividade, por Joseph Kastner (1844 - 1923), na Igreja do Redentor (Erlöserkirche), em Viena (Áustria)

NATIVIDADE | John Donne

Tradução de Lawrence Flores e Marcus de Martini:

A imensidade toda em teu ventre divino
Abandona já o amado confinamento,
Ali, a fim de ser possível seu intento,
Surge neste mundo frágil e franzino.
Mas, onde o pouso para ti e teu menino?
Deita-o na manjedoura, pois do Oriente vasto
Sábios e estrelas virão para que o nefasto
Se detenha, o ciúme de Herodes assassino.
Vês, minha alma, c’os olhos da fé, como dorme
O que tudo preenche, mas ninguém segura?
Não é a piedade Dele tão enorme,
Para te apiedares na mesma altura?
Beija-o e até o Egito siga trilha adentro,
Com Sua mãe, que partilha teu sofrimento.

FLORES, Lawrence; MARTINI, Marcus de. Traduzindo La Corona, de John Donne. Revista Letras, São Paulo, v.49, n.1, p.29-46, jan./jun. 2009. Disponível em: http://seer.fclar.unesp.br/letras/article/view/1747. Acesso em: 21.dez.2017.

Tradução de Afonso Félix de Sousa:

A imensidade toda no ventre abençoado,
Agora deixa o ventre, bem amada clausura
Onde, por seu querer, se fez uma criatura
Fragílima, e eis no mundo nosso Deus encarnado.
Mas, oh! Para ti, e ele, não há no albergue um pouso?
Na manjedoura estava, e vindo do Oriente,
Estrela e Magos põem a família ao corrente
Do decreto de Herodes, general invejoso.
Minha alma, que teus olhos de fé por ele passes:
Ele enche o espaço todo, e não tem um abrigo?
Não era alta piedade dele para contigo
Que lhe fosse preciso que dele te apiedasses?
Beija-o, e com ele foge para o Egito, vai, parte
Com sua doce mãe, que a imensa dor reparte.

DONNE, John. Sonetos de meditação. Edição bilíngue. Tradução de Afonso Félix de Sousa. Rio de Janeiro: Philobiblion, 1985. p. 23.

NATIVITY | John Donne

Immensity, cloister’d in thy dear womb,
Now leaves His well-beloved imprisonment.
There he hath made himself to his intent
Weak enough, now into our world to come.
But O! for thee, for Him, hath th’ inn no room ?
Yet lay Him in this stall, and from th’ orient,
Stars, and wise men will travel to prevent
The eff ects of Herod’s jealous general doom.
See’st thou, my soul, with thy faith’s eye, how  He
Which fi lls all place, yet none holds Him, doth lie?
Was not His pity towards thee wondrous high,
That would have need to be pitied by thee?
Kiss Him, and with Him into Egypt go,
With His kind mother, who partakes thy woe.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O testamento do Cachorro

Hoje, Quarta-feira de Cinzas, procurando alguma coisa interessante pra relaxar e assistir, me deparei com o Ariano Suassuna na TV Senado. Era umas 22 horas, o programa já havia começado a algum tempo, mas peguei muita coisa boa e pérolas valiosas do escritor. Trata-se de uma aula-espetáculo que fora realizada em Junho de 2013, na sala Villa-Lobos do Teatro Nacional de Brasília (DF).

Depois do programa, acabei explorando na rede muita coisa que o Suassuna falou, partindo de sua fala de que não cria mas copia. Copia o que o provo brasileiro traz. Aí vem as histórias contadas, os muitos cordéis que se perdem no tempo. Procurando a história do enterro do cachorro de um antigo folheto de literatura de cordel - que o próprio Suassuna atribui a fundamentação de “O Auto da Compadecida” -, me deparei com Leandro Gomes de Barros, um grande poeta da literatura de cordel, nascido no sertão da Paraíba, e que viveu de 1865 a 1918.

A história do testamento do cachorro é parte do folheto "O dinh…

Mãos frias, coração quente, amor ardente

Parece que o frio finalmente mostrou sua face gélida em nossa região. Enquanto escrevo este texto, o celular está marcando cinco graus em Itararé. Na madrugada a temperatura ficou abaixo de zero. Por outro lado, o noticiário internacional está mostrando as ondas de calor no hemisfério norte que dificultam a luta contra o fogo que atinge Portugal, Espanha e EUA.

Estas situações de frio e calor lembram as revelações divinas ao apóstolo João no livro do Apocalipse, especialmente a mensagem dirigida à igreja em Laodiceia: “Conheço as suas obras, sei que você não é frio nem quente. Melhor seria que você fosse frio ou quente! Assim, porque você é morno, nem frio nem quente, estou a ponto de vomitá-lo da minha boca.” (Ap 3.15-16)

É bem verdade que o frio em alguns lugares está de “congelar a alma”, mas muitas vezes é um frio de outra natureza que toma conta de nossos corações. Uma frieza no amor a Deus e ao próximo. Uma frieza na fé e nas obras. O apóstolo Tiago escreveu em sua Carta: “Se u…

Quem anda pela cabeça dos outros é piolho