Pular para o conteúdo principal

Celulares e correntes douradas


Quem fala ao celular em local público sentencia os demais a compartilhar o que ninguém merece

MARCOS ROLIM*
marcos@rolim.com.br

A cena é banal. Sala de espera do banco, várias pessoas aguardando pelo atendimento. Um cliente dirige-se a um balcão lateral, à procura de alguns envelopes, quando seu celular toca, estridentemente. Ele atende e mantém conversação sobre uma festa. O colóquio envolve os engradados de cerveja necessários e quem ficou de comprar a carne, entre outros temas relevantes. O homem usa uma corrente dourada que aparece sob a camisa desabotoada e fala alto. Diz "ceva" ao invés de cerveja. Fico me perguntando o que eu tenho a ver com as "cevas" ou com a costela.
Pergunto-me muito. Nem sempre obtenho respostas. Certas dúvidas me acompanham por meses. Elas ficam em um canto, hibernando, até que, súbito, pulam faceiras diante da impressão de que encontraram uma resposta. Houve uma época em que se podia ler ou descansar em um ônibus, por exemplo. Isto foi antes do celular. Hoje, há uma tortura nos ônibus, porque as pessoas conversam todo o tempo aos telefones e sobre coisas tão complexas e interessantes como "cevas". Devemos proibi-las?
Há avanços, claro. Aparentemente é menor o número de pessoas que atendem o telefone durante sessões de cinema. Em compensação, muitas seguem consultando e brincando com suas maquininhas, produzindo, em uma sala escura, fachos de luz sobre os olhos dos que estão sentados atrás delas.
Em cada um destes comportamentos, o que preside a conduta de quem manipula o aparelho é a total desconsideração pelos outros. Quem fala ao celular em local público sentencia os demais a compartilhar o que ninguém merece.
Em um texto célebre intitulado "Da liberdade dos antigos comparada à dos modernos", Benjamin Constant sustenta que, para os antigos (Roma, Esparta, Atenas), a liberdade era o mesmo que liberdade política. Alguém só poderia ser considerado livre na medida em que tomasse parte do debate político e pudesse, assim, ser protagonista nos temas que, por definição, interessam a todos. Já para os modernos, a liberdade passou a ser, cada vez mais, a liberdade individual, o direito de fazer aquilo que a lei não proíba etc.
Se um ateniense dos séculos V e VI  A.C. nos visitasse, concluiria que somos todos escravos; porque submetidos a decisões políticas tomadas por outrem. Em compensação, se fôssemos transportados para qualquer das sociedades clássicas, nos sentiríamos imobilizados em um mundo onde tudo estava definido por valores comunitários e onde, a rigor, a própria noção de "indivíduo" era desconhecida.  Ganhamos muito com a liberdade individual, claro. Só o que não é evidente é o que perdemos com o fim da liberdade política _ no sentido clássico.
No caso brasileiro, a perda é agravada pela incultura disseminada _ inclusive entre os que tiveram acesso à educação _ e por um individualismo cada vez mais radical que tem produzido consumidores, mas não cidadãos. O brasileiro típico detesta política. Muitos, inclusive, assumem o desinteresse pelas questões públicas e zombam dos que se dedicam a elas por vocação. Os resultados são cada vez mais claros e assustadores. Renan Calheiros e Marco Feliciano fazem parte do pacote. Acho que os celulares e as correntes douradas também.

* Jornalista

Artigo publicado originalmente em Opinião ZH em 24 de março de 2013.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O testamento do Cachorro

Hoje, Quarta-feira de Cinzas, procurando alguma coisa interessante pra relaxar e assistir, me deparei com o Ariano Suassuna na TV Senado. Era umas 22 horas, o programa já havia começado a algum tempo, mas peguei muita coisa boa e pérolas valiosas do escritor. Trata-se de uma aula-espetáculo que fora realizada em Junho de 2013, na sala Villa-Lobos do Teatro Nacional de Brasília (DF).

Depois do programa, acabei explorando na rede muita coisa que o Suassuna falou, partindo de sua fala de que não cria mas copia. Copia o que o provo brasileiro traz. Aí vem as histórias contadas, os muitos cordéis que se perdem no tempo. Procurando a história do enterro do cachorro de um antigo folheto de literatura de cordel - que o próprio Suassuna atribui a fundamentação de “O Auto da Compadecida” -, me deparei com Leandro Gomes de Barros, um grande poeta da literatura de cordel, nascido no sertão da Paraíba, e que viveu de 1865 a 1918.

A história do testamento do cachorro é parte do folheto "O dinh…

Mãos frias, coração quente, amor ardente

Parece que o frio finalmente mostrou sua face gélida em nossa região. Enquanto escrevo este texto, o celular está marcando cinco graus em Itararé. Na madrugada a temperatura ficou abaixo de zero. Por outro lado, o noticiário internacional está mostrando as ondas de calor no hemisfério norte que dificultam a luta contra o fogo que atinge Portugal, Espanha e EUA.

Estas situações de frio e calor lembram as revelações divinas ao apóstolo João no livro do Apocalipse, especialmente a mensagem dirigida à igreja em Laodiceia: “Conheço as suas obras, sei que você não é frio nem quente. Melhor seria que você fosse frio ou quente! Assim, porque você é morno, nem frio nem quente, estou a ponto de vomitá-lo da minha boca.” (Ap 3.15-16)

É bem verdade que o frio em alguns lugares está de “congelar a alma”, mas muitas vezes é um frio de outra natureza que toma conta de nossos corações. Uma frieza no amor a Deus e ao próximo. Uma frieza na fé e nas obras. O apóstolo Tiago escreveu em sua Carta: “Se u…

Quem anda pela cabeça dos outros é piolho